Cartaz IDEGUI 10+10.jpg

O Instituto de Design de Guimarães (IDEGUI) acolhe no dia 7 de Dezembro de 2022 pelas 17h30, o Debate IDEGUI 10+10.

Constituído em 2012, como uma associação sem fins lucrativos e de natureza privada, o IDEGUI - Instituto de Design de Guimarães - Associação para a Regeneração Económica, teve como promotores o Município de Guimarães e a Universidade do Minho.

Com a sua criação pretendia-se enfatizar as ligações entre o Design, a Arquitetura e a Engenharia e tornar possível uma articulação entre criatividade e tecnologia, estimulando um ambiente de inovação, afirmando-o como uma plataforma para o desenvolvimento do conhecimento, colaboração e experimentação no domínio do Design.

Desde a sua génese o IDEGUI manifestou a sua vocação para servir as empresas dotando-as de capacidade diferenciadora e valorizando os seus produtos industriais com incorporação de design, constituindo um parceiro de relevo na modernização e competitividade do tecido produtivo.

Com o Debate IDEGUI 10+10 pretende-se refletir sobre os primeiros dez anos desta instituição e ponderar o presente e o seu futuro.

O debate conta com um painel de ilustres personalidades:


- O Professor António M.Cunha, Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte, que à data de criação do IDEGUI era Reitor da Universidade do Minho;
- O Dr. Domingos Bragança, Presidente da Câmara Municipal de Guimarães;
- O Professor Rui Vieira de Castro, Reitor da Universidade do Minho, que em 2011 integrou a Comissão Instaladora Pró-Curso em Design do Produto;
- O Dr. Paulo Coelho Lima, CEO da Lameirinho – Indústria Têxtil, S.A., membro do Conselho Geral do IDEGUI;
- A Designer Tânia Braga, alumni da Licenciatura em Design de Produto.

O debate será moderado pelo Professor Paulo Cruz, Presidente do Instituto de Design e da Escola de Arquitetura, Arte e Design, e que integrou a Comissão Instaladora Pró-Curso em Design do Produto, de que foi Diretor entre 2013 e 2018.

O Instituto de Design está localizado na zona de Couros, que encerra o extraordinário historial da indústria dos curtumes da cidade e da sua transformação em indústria têxtil. As suas instalações aproveitam os edifícios de uma antiga fábrica, que foram sujeitos a uma profunda operação de reabilitação promovida pela Câmara Municipal de Guimarães no contexto de Guimarães 2012 – Capital Europeia da Cultura. Esta operação enquadrou-se no projeto de reabilitação da zona de Couros – o projeto Campurbis – cujos promotores foram o Município de Guimarães e a Universidade do Minho.